Espécie Invasiva: A Arte da Atenção


por

Carolyn Keller

Contribuinte

Carolyn Keller é escritora freelancer, professora e ex-jornalista com doutorado em inglês pela Universidade de Binghamton. Ela viajou por toda a América Latina, incluindo estadias prolongadas no México e Equador.

Saiba mais sobre Carolyn Keller


21 de fevereiro de 2022

Espécie Invasiva: A Arte da Atenção

 

Feche seus olhos e imagine uma invasão. Simples, certo? Vemos invasões nas notícias e em filmes e videogames o tempo todo. Também as ouvimos - o barulho dos tanques, o zumbido dos aviões de caça, a batida rítmica das botas no chão. Ouvimos histórias de combate, análise do impacto geopolítico. É dramático, no seu rosto, e as conseqüências podem ser vistas imediatamente a olho nu. 

Mas e se a invasão não tivesse esse aspecto? E se parecesse com o brilho opalino, a meio mundo de distância, de conchas de mexilhões finos brilhando sob um sol brasileiro? Ou se for uma flor pálida, violeta e translúcida, com pétalas superiores como penas de pavão, flutuando na bacia amazônica de água doce. Ou talvez, ao invés disso, chegue ao seu quintal na Pensilvânia, anunciando-se com uma palpitação de asas, largas e beges, vermelhas e bolinhas de polca? Talvez ela tome a forma de uma traça saltando levemente sobre sua mão, um carrapato enterrado em sua pele.

O segundo cenário está acontecendo, e o fio condutor comum, para aqueles que desejam puxá-lo, é a atividade humana. Puxar um pouco mais forte, e chegamos à economia e à mudança climática. Como nas invasões, tendemos a falar da mudança climática e seu impacto ambiental em termos do drama e dos piores cenários que a acompanham: clima extremo, tempestades violentas, acumulação de dióxido de carbono ou o custo para a indústria ou economias globais. As ações são ousadas e específicas, e as próprias imagens são dramáticas. Enquanto isso, as madeireiras contribuem para o desmatamento, e faixas da floresta amazônica, os supostos pulmões do globo, são incendiados a fim de se converterem para fins agrícolas. Talvez isto aconteça por acidente, como às vezes se alega, mas muitas vezes é muito proposital, impulsionado pela competição por recursos em uma economia global.  

Mas quais são os impactos menores desta atividade? Quando você vê imagens da Amazônia em chamas na CNN, talvez você pense "oh quão terrível, mas como isso poderia me afetar"? 

Talvez você já conheça algumas respostas a isto - você já está aqui, lendo este blog, afinal, o que sugere um interesse pela sustentabilidade ambiental. Provavelmente você é o tipo de leitor que aceita a mudança climática como fato - assim como você deveria. E o tamanho do impacto é difícil de negar: movimentos humanos maiores - o corte de madeira, por exemplo, incêndios controlados em nome do desmatamento - são fáceis de rastrear em termos de destruição. Você já deve saber como estas ações em nome do comércio estão eviscerando florestas antigas e empurrando as comunidades indígenas para fora de suas casas e modos de vida. 

Estas invasões também são reais, e estão acontecendo agora mesmo - estão acontecendo silenciosamente, abaixo do radar da imaginação do público.

Mas esses impactos em larga escala também resultam em pequenas mudanças nos ecossistemas nativos que podem ter um efeito igualmente devastador em todo o mundo, não apenas nas comunidades indígenas acima, mas também nos municípios locais, como o seu, e na flora e fauna da própria região biodiversa. Estas invasões também são reais, e estão acontecendo agora mesmo - estão apenas acontecendo silenciosamente, abaixo do radar da imaginação pública.

Como? Vamos analisar mais de perto as formas como a migração de pequenas espécies invasoras afeta diretamente regiões distantes do mundo, da Amazônia para seu próprio quintal, muitas vezes por descuido humano ou por sua simples e inadvertida falta de atenção. A maior parte dos danos causados pelas espécies invasivas está ligada às formas como elas se expandem para preencher o espaço que lhes é dado - e depois levam um pouco mais. Um pouco como os colonizadores - ou madeireiros, se preferir - as espécies invasivas chegam quase ao acaso, então afundam raízes em seu novo território - às vezes literalmente, às vezes metaforicamente, mas sempre com furtividade e tenacidade - e invadem ou evisceram o que um dia esteve lá. O comércio internacional e a globalização, aliados a um olhar intencional ou acidental sobre o local, é o que nos traz até aqui.  

Espécies Invasivas na Amazônia

"Invasão da floresta tropical de ratos negros 'acelerada pelo desmatamento'".

Vejamos a exploração madeireira na Amazônia. Se a intervenção humana tão agressiva quanto a extração de madeira destrói um habitat, as espécies locais são frequentemente mortas, ou então fogem porque não sabem mais como sobreviver, ou sua capacidade de sobrevivência foi destruída junto com seu habitat natural. Quando isto acontece, cria um vácuo para que criaturas invasoras se movam para dentro. 

Uma dessas criaturas é o rato preto (Rattus rattus): eles evitam a floresta velha por causa das complicações de encontrar alimento, mas quando os madeireiros demolem grandes faixas de crescimento antigo na bacia amazônica, a madeira morta que eles deixam para trás proporciona um banquete da variedade de seis patas - e os ratos pretos se movem para se saturarem no boom de insetos que acompanha a demolição. Os residentes de florestas menores a longo prazo, incluindo roedores, outros pequenos mamíferos e até morcegos, não são apenas potencialmente deslocados, aqueles que ficam para trás enfrentam de repente uma dura competição por sustento, o que ameaça ainda mais sua sobrevivência a longo prazo. 

Massas de mexilhões dourados entupiam um tubo de resfriamento na Usina Hidrelétrica Governador José Richa. USINA HIDROELÉTRICA DO GOVERNADOR JOSÉ RICHA

Um exemplo contrastante, mas muito menor e mais difícil de detectar, é o mexilhão dourado (Limnoperna fortunei), nativo da China e do sudeste asiático. O mexilhão dourado chegou à América do Sul nos anos 90. Ele fez sua primeira travessia transpacífica nos tanques de lastro nos porões de carga dos navios - quando se trata de espécies invasoras, a sorte favorece a supervisão humana. O efeito da proliferação do mexilhão dourado é alterar a dieta da cadeia alimentar ao redor, o que, como acontece com os ratos negros em terra, ameaça a biodiversidade nativa. 

Este bivalve de crescimento rápido e altamente promíscuo pode brilhar à luz do sol, mas as chegadas acidentais também se aglomeram, impedindo os movimentos de outros residentes e impedindo-os de encontrar alimentos, sufocando efetivamente os habitantes nativos que competem por fontes de alimentos locais disponíveis e incentivando o florescimento de algas tóxicas aumentando os níveis de fósforo e nitrogênio na água. 

Há um custo "humano" também, caso isso seja persuasivo: o tenaz molusco também obstrui os tubos e filtros de tratamento de água e usinas elétricas, com perdas na Bacia do Rio Amazonas que chegam a totalizar 20.000 dólares por dia. Moutinho (2021) em Science relata que o mexilhão dourado causa até US$ 120 milhões de dólares por ano de danos ao setor elétrico brasileiro (Moutinho, 2021). 

OK, você diz, mas novamente - tudo isso está acontecendo a um hemisfério de distância. 

Espécies Invasoras nos Estados Unidos

Spotted Lanternfly, Harrisburg, PA. 2022; Foto tirada por Terri Shadle

Vemos que a globalização inadvertidamente transporta sementes e clandestinos de um hemisfério para outro, rompendo o delicado equilíbrio que mantém ecossistemas complexos.

Os Estados Unidos e o resto do mundo não são imunes a invasões globais sutis. Um acidente de supervisão semelhante - uma falta de cuidado e atenção - aconteceu no nordeste dos Estados Unidos, um acidente que surpreendentemente se assemelha à chegada do mexilhão dourado na floresta amazônica. Mais uma vez, vemos que a globalização inadvertidamente transporta sementes e clandestinos de um hemisfério para o outro, rompendo o delicado equilíbrio que mantém ecossistemas complexos. Neste caso, porém, a invasão chega por via aérea, não por via marítima.

Esta é a lanternfly manchada (Lycorma delicatula ) - aquela polka-dotted flutterer com luz de joaninha, que salta de planta em planta no nordeste dos Estados Unidos. Ao fazê-lo, eles sugam seiva e deixam resíduos de melada, o que não soa tão mal, exceto que ao fazê-lo eles também desovam mofo, debilitando árvores e destruindo pomares e vinhedos e todos os frutos que eles dariam junto com eles, e os pequenos negócios que se beneficiariam dessas colheitas. Como o mexilhão dourado, o malhado é nativo da China e do sudeste asiático. Acredita-se que a espécie chegou aos EUA através de um carregamento de placas de mármore enviadas da China para a Filadélfia em 2014. Ninguém - pelo menos na época - prestou atenção especial.

Mas em 2021, a lanternfly avistada se estabeleceu em oito estados do nordeste dos Estados Unidos. Por quê? Um estudo conduzido pela Faculdade de Ciências Agrárias da Penn State University descobriu que a mosca da terra manchada causa aproximadamente 50 milhões de dólares por ano só na Pensilvânia. Este inseto brilhante e emplumado já custou ao Estado quase 500 empregos. Para uma chegada acidental, as implicações são sóbrias. Em grande parte chamou a atenção em parte por causa de seu impacto econômico. 

Uma Beleza Perigosa, o Jacinto de Água O U.S. Army Corps of Engineers (USACE) Invasive Management Species Branch fornece suporte técnico para o controle de espécies invasivas em nosso programa nacional e regional de restauração de ecossistemas.

Mas se há uma lição aqui, talvez ela possa ser encontrada na Amazônia. O jacinto de água(Pontederia crassipes)A Amazônia, um membro próspero e benéfico do ecossistema amazônico, é de outra forma completamente notória. Uma elegante flor de lavanda com suas pétalas superiores marcadas pelo que parecem ser penas de pavão índigo, a planta aquática não foi removida de seu habitat natural por causa de sua beleza natural. 

Infelizmente, uma vez transportado, o jacinto de água é completamente voraz, capaz de se dobrar a cada 5-15 dias, tanto através da reprodução sexual quanto assexuada. Ele obstrui os cursos d'água, o que afeta a pesca, a recreação e o turismo para as economias locais, bloqueia a luz e reduz os níveis de oxigênio na água, sufocando efetivamente todos os outros habitantes nativos dos rios. Além disso, o jacinto de água também cria um ambiente hospitaleiro para os mosquitos transmissores de doenças. 

A planta é colhida agressivamente fora de seu habitat natural, e utilizada para a fabricação de papel, como remédio de pele para cavalos, como vegetal de mesa para consumo humano. Suas fibras são utilizadas em produtos tecidos, é alimentada para o gado, usada como fertilizante e até mesmo como tratamento de águas residuais e pode remover o arsênico da água potável contaminada.

Parece útil - mesmo milagroso - mas o problema é que estes usos são secundários, como um meio de controlar a expansão da flor d'água. Nenhum destes métodos - ou meios adicionais de controle químico, físico ou biológico - tem sido capaz de manter o crescimento da planta sob controle. 

Mas na Amazônia - onde o jacinto de água pertence, onde deveria ter ficado - a planta é regulada naturalmente. Seus predadores normais, incluindo gorgulhos e traças, que pertencem ao seu ecossistema nativo, mantêm a população manejável, e caso os insetos fiquem para trás ou se empanturrem, a inundação anual natural do rio também quebra as grandes esteiras do jacinto e lava os fragmentos menores no rio, permitindo que o resto da bacia respire. Ela se auto-regula - a natureza cuidando de si mesma. 

O ideal é deixar bem sozinho, ou pelo menos estar mais consciente de nosso entorno e do impacto do descuido humano. Embora a prevenção seja a cura mais simples, uma vez que não é mais uma opção, devemos reavaliar nossas prioridades, consultar as populações locais para reprimir a invasão da melhor forma possível e começar a reconstruir a partir do zero. 

Em um mundo fundamentalmente alterado e ameaçado existencialmente pela mudança climática, seria benéfico para todos nós tornarmo-nos muito mais adeptos da arte do cuidado e da atenção cuidadosa - para que deixemos de criar problemas que não sabemos como consertar. Mas, dado onde estamos, talvez seja melhor começar com um novo respeito pelo delicado equilíbrio que nos permite manter o espaço que ocupamos no planeta durante o tempo que temos aqui.

Literatura Citada:

Moutinho, Sofia. (2021, 21 de outubro). Uma Ameaça de Ouro. Ciência.

 

Deixe um Comentário

Este site está registrado no Toolset.com como um site de desenvolvimento.