Além da Biologia: abordagens transdisciplinares para a conservação


por

Miguel Monteiro

Companheiro de Conservação

Miguel é um conservacionista apaixonado baseado no Brasil que tem se dedicado inteiramente à conservação da vida selvagem nas florestas tropicais. Depois de se formar no Rio de Janeiro, ele se mudou para uma pequena cidade nas profundezas da Amazônia para começar a trabalhar no Instituto Mamirauá, uma organização social que desenvolve projetos de pesquisa e conservação junto com as comunidades locais. Ele teve experiência trabalhando com armadilhas para câmeras, mas nos últimos anos tem feito pesquisas sobre conflitos entre homem e vida selvagem envolvendo onças-pintadas e comunidades tradicionais na Amazônia.

Saiba mais sobre Miguel Monteiro


19 de janeiro de 2022

Além da Biologia: abordagens transdisciplinares para a conservação

 

Uma onça-pintada está à espreita na periferia de uma comunidade local nas profundezas da floresta tropical amazônica. Seus rugidos podem ser ouvidos na calada da noite; seus rastros cercam as bordas da aldeia. Para algumas comunidades indígenas, isto pode ser um sinal de que um xamã de uma aldeia rival se transformou em uma onça-pintada para aterrorizá-las. Para outros, significa que uma pessoa idosa da aldeia está se aproximando da morte e, portanto, está começando a se transformar em uma onça-pintada. Em outras áreas, porém, a onça-pintada é simplesmente vista como um animal perigoso que pode potencialmente prejudicar alguém ou comer animais domésticos e gado. Para lidar com a onça-pintada que está se aproximando demais, algumas comunidades indígenas vão chamar seu xamã local para realizar rituais baseados em suas crenças - outros atirarão na onça-pintada à vista.

Miguel Monteiro trabalha em colaboração com as comunidades locais da Reserva Mamirauá para compreender as interações e conflitos entre humanos e onças-pintadas. Crédito Marcos Brito

Estes exemplos ilustram como diferentes perspectivas de comunidades podem ser insondavelmente complexas e diversas. Quando cientistas e profissionais da conservação trabalham em conjunto com as comunidades locais, sua cultura, visão de mundo, normas sociais e costumes não só devem ser respeitados, mas levados em consideração em todos os momentos. Como biólogo, aprendi muito pouco sobre estes conceitos durante minha formação universitária, onde quase não havia ênfase nas dimensões humanas da conservação. Entretanto, nos últimos três anos, trabalhei de perto com as comunidades tradicionais da Amazônia e comecei a mergulhar na ciência social e na antropologia. 

A conservação da biodiversidade trata das pessoas e da política, assim como dos aspectos sociais, culturais e psicológicos. Uma colaboração entre diferentes disciplinas é crucial para resultados positivos. Os projetos de conservação se beneficiam imensamente de equipes interdisciplinares que podem incluir psicólogos, cientistas sociais, advogados, cineastas ou jornalistas.

Recentemente, tive a oportunidade de participar da conferência de Antropologia e Conservação organizada pelo Instituto Real Antropológico, graças ao financiamento da Fundação ACEER. Fiquei surpreso com a miríade de diferentes abordagens de conservação apresentadas, desde projetos transdisciplinares e baseados na comunidade até iniciativas lideradas pela Indigenou. Embora os aspectos ecológicos e biológicos da conservação sejam sem dúvida essenciais, durante décadas eles foram a única abordagem considerada para lidar com as questões de conservação. Entretanto, a conservação da biodiversidade trata de pessoas e políticas, bem como de aspectos sociais, culturais e psicológicos. Uma colaboração entre diferentes disciplinas é crucial para resultados positivos. Os projetos de conservação se beneficiam imensamente de equipes interdisciplinares que podem incluir psicólogos, cientistas sociais, advogados, cineastas ou jornalistas.

Mas as disciplinas são apenas um dos lados da história. Por gerações, pesquisadores no meio acadêmico têm desenvolvido projetos de conservação praticamente negligenciando ou mesmo entrando em conflito com povos indígenas e comunidades locais (IPLCs) sem reconhecer seu importante papel na proteção de ambientes naturais e espécies. Até 80% da biodiversidade mundial pode ser encontrada dentro das terras dos povos indígenas, e essas comunidades muitas vezes fazem um trabalho melhor para alcançar as metas de conservação do que a ciência ocidental. Entretanto, a ciência ocidental tem desapropriado historicamente os povos indígenas de suas terras e de seus direitos em nome da conservação - minando de forma eficaz seu sustento. Chegou o momento de ultrapassarmos o que tem sido chamado de "conservação da fortaleza" e irmos além do simples reconhecimento do papel dos IPLCs na conservação da biodiversidade. É imperativo que os IPLCs se envolvam ativamente em projetos de conservação (se é isso que eles querem, é claro) e que seus sistemas de conhecimento se tornem mais do que apenas uma fonte secundária de informação.

Chegou o momento de ultrapassarmos o que foi chamado de "conservação da fortaleza" e irmos além do simples reconhecimento do papel dos IPLCs na conservação da biodiversidade. Até 80% da biodiversidade mundial pode ser encontrada dentro das terras dos povos indígenas, e estas comunidades muitas vezes fazem um trabalho melhor para alcançar as metas de conservação do que a ciência ocidental. Entretanto, a ciência ocidental tem desapropriado historicamente os povos indígenas de suas terras e direitos em nome da conservação.

Um membro da comunidade Maijuna corta uma trilha de transito na floresta tropical primária para monitorar as populações de mamíferos. Crédito Brian Griffiths

Em meu campo de trabalho, lidando com as interações homem-vivo, esta forma de pensar abriu o caminho para novas abordagens de trabalho com as comunidades locais. Projetos em todo o mundo se afastaram de soluções de cima para baixo para conflitos entre homem e vida selvagem que são impostas às comunidades locais e muitas vezes são incompreensíveis para elas, reduzindo a aceitabilidade social em relação ao projeto e, portanto, sua eficácia. Em vez disso, muitas iniciativas de conservação começaram a utilizar uma abordagem horizontal, envolvendo as comunidades locais em cada etapa do planejamento e execução do projeto, e chegando a soluções conjuntas.

Aprender sobre essas diferentes perspectivas moldou profundamente a maneira como trabalho e como me aproximo e interajo com as comunidades locais. Desde sempre levar em consideração as visões de mundo das comunidades locais até aprender com suas experiências e trabalhar juntos para chegar a soluções, esta perspectiva mais inclusiva sobre conservação está definitivamente tendo um impacto em minha carreira e influenciará todos os meus projetos futuros.

 

1 thought on “Beyond Biology: transdisciplinary approaches to conservation”

Deixe um Comentário